Comportamento

Carta aberta sobre o que é ser mulher

Comments (29)
  1. Amei teu post, Carla. Acredito que 99,9% das mulheres já passou por alguma das situações que você descreveu. E por conta disso, podem ter se escondido por trás de roupas, desenvolvido sérios problemas de baixa auto-estima… enfim…

    Até quando vamos ser responsáveis pela atitude dos homens? Essa é a pergunta do milhão.

    1. Carla Lemos disse:

      A gente já conquistou muita coisa, mas parece que falta o principal: igualdade.

  2. Dayane Rocha Moreira disse:

    Achei muito bacana você ter contado a sua história pessoal para “levantar” esse assunto.
    Parabéns pela coragem e pela iniciativa!

    #aculpanuncaédavítima

  3. Carla disse:

    É muito legal ver como você (e cada vez mais meninas) tem se tornado (e se assumido) feminista!❤️

    1. Carla Lemos disse:

      O que as pessoas não entendem é que a gente não tá lutando por um mundo feminista, apenas um mundo igualitário <3

      1. Camila Brito disse:

        mas: mundo feminista = mundo igualitário. São sinônimos!

        1. Carla Lemos disse:

          sim, mas tem gente que não entende, né? “/

          1. Camila Brito disse:

            É que quando vc falou “é que a gente não tá lutando por um mundo feminista, apenas um mundo igualitário ” me passou a impressão de que você não via o feminismo como essa busca de igualdade; pq é uma luta por um mundo feminista ( que é em definição igualitário).
            E é como você disse, muita gente não entende, infelizmente. Mas textos como o seu ajudam muito a construir essa nova mentalidade!

  4. Amanda Medeiros disse:

    Quando li seu post foi como se estivesse vendo a minha história sendo contada por outra pessoa.
    Sempre fui gordinha e os seios grandes apareceram cedo, passei por todas as fases, incluindo as roupas masculinas (mas o meu esporte era o basquete). Até hoje esses acontecimentos da minha infância e adolescência interferem na minha vida e no meu modo de vestir – embora eu me preocupe muito pouco com o que os homens pensam sobre as roupas que eu visto. A interferência é muito mais profunda, é psicológica! e não consigo conceber que até hoje existam pessoas que acham que o problema está na atitude e nas roupas que as mulheres usam, e não na imbecilidade e asquerosidade de muitos homens por aí! Achei seu texto ótimo! Acompanho seu blog há um bom tempo, mas não costumo comentar em blog algum… só que dessa vez me senti a vontade e “obrigada” a expressar minha opinião e compartilhar um pouco da minha experiência. Grata pelo texto e por ter dividido sua vida pessoal conosco.

    1. Carla Lemos disse:

      <3 obrigada, obrigada!

      E eu acredito que é só debatendo, falando sobre o assunto que a gente vai conseguir mudar essa realidade absurda! E a gente precisa mudar isso urgentemente!

  5. disse:

    Cara, tu tinha que ter mandado cada um deles a merda. Sinceramente.

    >>>>>>>> http://www.PISAICO.com.br <<<<<<< Mulherada, venham conhecer nossas peças!

  6. Thais Marques disse:

    Ótimo texto Carla. Eu que sou usuária do transporte público, fico por muitas vezes tão constrangida. Já deixei de usar inúmeras roupas pensando nesse absurdo que a gente vive todos os dias. Discussões assim precisam ser propagadas para que assim a gente possa construir uma sociedade melhor.

  7. Paulo Henrique Otoni disse:

    Texto incrível, e as imagens? Awn, sou apixonado por esse mulher.

    Beijos ;)

    http://www.manualfashion.com

  8. Excelente esse post. Não é um problema só dos homens serem “tarados”, também. O problema é que a construção cultural que se fez da mulher – da qual homens e mulheres, adultos e crianças participam – é de que ela é secundária ao homem e nada do que faz é por conta própria, mas sim uma reação ao comportamento masculino. Por isso as pessoas pensam que a mulher que usa saia curta está querendo provocar tesão no homem. A luta é grande, mas não é só na cabeça do tarado que essa ideia tem que mudar. Temos mesmo que começar afirmando o nosso direito de usar uma roupa condizente com o nosso clima e cultura e isso não ter nada a ver com homem nenhum, e apenas com o nosso bem-estar.

  9. Naty disse:

    Olá Carla,
    vim aqui fazer um post para a minha empresa, mas depois do que eu li achei que seria de muito mal gosto da minha parte fazer esse comentário para a venda de algum serviço ou produto.

    É realmente muito triste ver que ainda existe pessoas no qual acreditam seriamente no fato que mulher de roupa curta e/ou saia está querendo se expor, e por isso merece ser tratada assim. Para quem apoia esse absurdo, peço que assistam esse vídeo http://www.youtube.com/watch?v=V4UWxlVvT1A.

  10. Cecíllia disse:

    Adorei o texto. Parabéns!
    Pego ônibus hoje em dia e evito usar saias e vestidos, mesmo morando no nordeste e passando o maior calor. Resolvi fazer isso depois de inúmeros desrespeitos, diariamente.
    Hoje, mesmo completamente coberta, com calça e blusa social, continuo passando por alguns constrangimentos.

    Até escrevi sobre isso nesse post aqui:

    http://viradanosaci.web69.f1.k8.com.br/pra-comecar/pra-comecar-chega-de-fiu-fiu/

  11. Joaninha Carvalho disse:

    Muito pertinente sua colocação, Carla! Parabéns pelo excelente post!

  12. Bianca disse:

    A maior parte dos abusos são cometidos por familiares e amigos quando se é criança ou adolescente. Na fase adulta o número de estupro cometido por não conhecidos sobe para 60%. Sabe, Carla, eu fico muito feliz de ler isso no seu blog. Muitas mulheres ainda acham que o machismo é bom e que não são representadas pelo feminismo. As pessoas falam sem conhecimento, apenas levando em consideração coisas que elas ouvem falar por aí, e cada vez mais as pessoas têm preguiça de ler e se informar sobre temas importantes pra gente, o que é uma pena. Eu nunca fiz o tipo “mulherão”, na verdade eu tenho 21 anos e as pessoas acham que tenho 14/15. Quando um cara me seca na rua eu fico duplamente revoltada: primeiro pela falta de respeito, segundo porque eu pareço uma criança. Eu penso que são todos pedófilos e estupradores na primeira oportunidade, e dá nojo. Eu tenho uma irmã nessa idade, sinto medo por mim e por ela. Essa nova pesquisa do IPEA que mostra que 65% das pessoas acham que mulheres com roupas curtas devem ser violentadas é a maior decepção que eu senti nos últimos anos. Antigamente eu gostava de usar shorts, saia e vestido pra ir pra aula, mas tinha problemas no meio do caminho, até de entrar no ônibus e do motorista olhar de cima embaixo. Eu odeio usar calça, mas virou meu uniforme agora. E o pior é isso: a gente acabar se privando de certas coisas por causa do comportamento errado dos outros. Ainda há muito que melhorar nesse país e no mundo, mas se a gente começa a se conscientizar, se pessoas como você expõe esse tipo de desabafo, então a semente está plantada. Muito obrigada pelas suas palavras.

    1. Andréa Miranda disse:

      Pois é…. hj ando muito de carro, mas mesmo assim, pesno muito no modelo da roupa e aonde estou indo, de medo de “chamar demais” a atenção, quem de nós nunca trocou de calçada, pra não passar por constrangimento nenhum???

  13. Brenda Costa disse:

    Incrível o texto Carlinha, muito bom!
    Tbm tenho muito peito (por causa da minha mãe -é genético né- o dela era enorme, até fez redução e tudo) e desde que eles começaram a aparecer ( quando eu tinha de 13/14 anos ) eu não uso decote.
    Claro, eu já usei algumas vezes, mas chama tanta atenção que eu me sinto desconfortável, sabe? Uma vez fui pra uma festa com um vestido decotado e fui tão assediada verbalmente que achei melhor sair dali e ir pra casa ( e a festa nem tava na metade ainda ).
    Por isso como você, eu nunca uso decotes, uma vez ou outra uma blusinha meio apertadinha e só.
    É bem triste ter que se privar de vestir algumas roupas pra não chamar atenção, para não ser alvo de assédio e de falta de educação.
    Com certeza precisamos mudar esses conceitos, como você disse, o corpo feminino não é propriedade pública, e deve ser respeitado.

    Parabéns Carla, te admiro ainda mais, beijos.
    http://SonhandoAcordada.com

  14. Thaís disse:

    Parabéns pelo texto Carla, excelente! Me sinto como voce e penso que todas as mulheres também! Parabéns pelo blog. Temos que lutar por uma sociedade menos machista todos dias, uma sociedade que ensine aos homens o respeito pelas mulheres e pelo seu corpo, e não essa sociedade que naturaliza que o homem não sabe se segurar porque simplesmente é homem e as mulheres que se vistam “direito” e se comportem “adequadamente”.

  15. MARCIO disse:

    VC TEM TODA RAZÃO , MAS NUNCA DEIXEM DE SER …… LINDAAAAAASSSSSSS

  16. val disse:

    Que máximo seu texto Carla, parabéns!! Deveria ser impresso e distribuído nas ruas, na real! Passei mt por isso desde novinha, no meu caso o popozão. Evitava ao maximo andar pelas ruas e so usava blusas mt compridas, ja me libertei disso em parte, mas chega uma hora que a culpa/constrangimento pelo corpo começa a fzr parte do que somos, infelizmente…

  17. renatinha disse:

    Carla, posts como esse fazem muita falta na blogosfera da moda!

  18. Emanuella Calaça disse:

    Carla, conheci seu blog através do blog da Carol Burgo que já acompanho há algum tempo.
    Nunca tinha escrito nos coments mas hoje depois de ler esse texto lindo meu deu uma vontade danada de te elogiar. Parabéns pelo texto e pelo trabalho que vc desenvolve. Beijos de sua mais nova leitora assídua!

  19. Nadine disse:

    Parabéns por utilizar a visibilidade do teu blog e a influência das tuas palavras para tratar de temas como esse!

  20. Michele disse:

    Nossa está de parabéns! Vc foi uma das poucas que abordou sobre o tema! Foi coerente, foi maravilhoso! Que isso se propague, pois nós mulheres não somos as culpadas! Parabéns! Me conquistou!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Ei! Agradecemos por compartilhar nosso conteúdo

Agora vem conhecer nossos outros canais