Estilo

Moda para mulheres: Curso de negócios de moda da Farm

Comments (18)
  1. Carol Costa disse:

    Nota 10 Carla! Muito bom!!! Que mais e mais empresas incluam esses questionamentos nas suas produções.
    http://dibobis.blogspot.com.br/

  2. Gabi Cabral disse:

    Nossa, que demais! Nunca tinha parado para pensar nisso de como uma marca pode afetar psicologicamente sua consumidora, e faz muuito sentido…
    Quero participar do bate papo, nem que seja por skype hihihihih

  3. Gabriela S. Padilha disse:

    Adorei sua apresentação. O empoderamento de mulheres é uma coisa muito importante, principalmente vindo de marcas de moda! http://www.alemdolookdodia.com

  4. Alina Fernandez disse:

    Oi Carla, adoro o seu blog justamente por trazer essas questões sociais.Comecei a estudar moda agora e também quero ver a mudança acontecer. Há muitas questões a serem discutidas ai, fico feliz que as pessoas estejam se tocando disso. :D beijaaaao!

  5. Mahyna Siqueira disse:

    Gente, que demais! É por essas e outras que te admiro cada dia mais, Carla (queria agradecer a mensagem do video que você mandou pela Manu, no curso de instagram haha)! Tô tentando fazer isso com a Moi, minha marca de lingerie – com peças que sejam muito bonitas E muito confortáveis (até hoje a grande parte do mercado de lingerie se divide em ser ser confortável e feia ou bonita e extremamente desconfortável). Sei que isso é bem complicado e que a linguagem visual e de de comunicação desse mercado sempre puxa pela sedução ou agradar ao olhar de alguém, nunca de si mesma mas tô tentando comunicar lingerie de uma forma diferente, para que as mulheres saibam que podem conquistar seus sonhos usando peças bonitas (pra ela) e confortáveis <3

    Obrigada por mostrar pra tanta gente que moda não precisa ser ostentação, obrigação, desconforto ou sedução! YOU GO, GIRL!

    Quero MUITO esse hangout!

    beijo!

    ah, caso queiram conhecer: http://www.moilingerie.com.br :)

  6. Gabriela Oliva disse:

    Oi Carla, tudo bem? Quando eu estava na faculdade de moda, vivia discutindo com a minha super profa. de desenho, porque eu desenhava gente como a gente, e ela por algum tempo me cobrava de desenhar conforme o padrão dos desenhos de moda… depois de um tempo ela desistiu, porque eu sempre falava: – Ninguém é assim na vida real, nem modelo! O que adianta desenhar assim se na hora de fazer a roupa ela não vai condizer com essa imagem? acabou dizendo que eu já tinha meu estilo de desenho e me deixou desenhar do jeito que queria. Hoje vendo a sua apresentação me lembrei disso! Também pensei em uma marca que trabalhei que fazia roupas para mulheres mais velhas e tinha uma preocupação com a modelagem, nos pontos que incomodam no corpo da mulher que já não tem 20 anos, porque não adiantava querer padronizar o corpo da cliente dentro de um padrão imposto (e muitas vezes surreal), a gente vestia pessoas, e tinha que fazer um produto que se adaptasse à elas e não vice-versa. Acho a discussão super válida! Parabéns!

  7. Gleide Morais disse:

    Durante a semana, a noite. Mas, se não puder participar, o vídeo pode ficar disponibilizado para vermos depois? :)

  8. Gabriela Rocha disse:

    Demais, Carlinha! Sou consultora de estilo e minha metodologia tem foco em autoestima e autoconhecimento! Tudo que você perguntou aí em cima é tudo que eu pergunto para os meus clientes na parte investigativa do processo e é tudo que eu pergunto quando vou escolher uma peça ou uma determinada marca pra sugerir pra ele e pra mim mesma também! qual o conceito dessa marca? a idéia que ela vende é a mesma idéia que de fato ela representa? é muita coisa envolvida! e ontem mesmo depois de eu explicar como funcionava meu trabalho pra uma pessoa, ela me fez a seguinte pergunta: mas como você questiona tudo isso se você não é psicóloga? e eu respondo: não é preciso ser psicóloga pra saber que a roupa que a gente veste transmite mensagens, nos proporciona sensações e interferem em toda nossa vida! é o que mais abraça a gente, mais que namorado(a) <3 é o que a gente escolhe pra nos acompanhar o dia todo antes de começar qualquer coisa! o mundo tá mudando…a moda tá mudando! isso é bom :)!!! tô super dentro desse hangout!!! durante a semana ou sabadão pode contar comigo! beijos!

  9. Priscila Cabral disse:

    QUE MARAVILHOSA! Muito muito obrigada por compartilhar o que está aprendendo no curso conosco! Adorei o slide e o conteúdo e tenho CERTEZA que você arrasou na sua apresentação :)

    Quero hangout sim e pra mim, seria melhor sábado à tarde.

    1. Carla Lemos disse:

      Ownnn Pri! <3 Acho que vou fechar próximo sábado à tarde mesmo ^^ Fica de olho que vou avisar até quarta ;) Beijão!

  10. Helenna disse:

    Ameeei, e super quero participar do hangout :DDD avisa pra gente!!!!

  11. Karina Dorlitz disse:

    “Vamos pensar em como sua marca pode empoderar as mulheres?” É exatamente isso que quero que uma marca tenha em mente ao criar e divulgar seu produto! Perfeito!

  12. Fernanda Seben disse:

    Boa noite, Carla!

    Sou muito critica em relação a blogs de moda. Entretanto, não deixo de visitar o seu! Conteúdo de primeiríssima, assuntos envolventes e debates relevantes. Eu sou formada em Jornalismo, fiz um ano de moda, e agora parti para o Marketing. Estou pensando em abrir uma marca minha, visto que já trabalhei com roupas. Tive um brechó e era quase impossível achar roupas tamanho G para minhas clientes. As roupas pequenas ficavam a ver navios, muitas eu doei porque era impossível vender. Contudo, tamanhos maiores eram muito difíceis de achar para comprar pro meu brechó. Percebi que, quem encontra uma roupa que se ajusta ao seu corpo G, usa até o máximo que puder porque sabe que não vai achar outra igual. Quase ninguém parece compreender a frustração da menina que veste G em chegar na loja e não encontrar nada que lhe sirva. Imagina??! Ela vai se sentir péssima e nunca mais vai pisar nesse lugar.

    Poxa, tem algo errado com as marcas!! Será que ninguém percebe isso? Acho muito interessante esse ponto levantado por você no seu trabalho. As marcas NÃO olham suas REAIS clientes. Não é a modelo da passarela que alimenta o seu lucro, são as milhares de mulheres que não tem nem tempo de ir na academia que compram seu produto. É triste ver aquela propaganda perfeita na TV, e quando chegar na loja não encontrar seu número. Decepcionante! Estou adorando o debate e apoio um hangout (mesmo nunca tendo participado de um kk) ;)))

  13. Mari Laiun disse:

    Excelente discussão e reflexão.
    É bom ver blogs de moda realmente discutindo moda e comportamento e não só propagando o modismo.
    Não ouvimos sua reflexão sobre o tema, mas os slides ilustraram super bem! Tenho certeza que vc deve ter arrasado!
    Exatamente como me sinto. Sei na pele a frustração que é ser G e nem sempre caber no G desleal que algumas marcas vendem… e sentir a cobrança de ter que ser M ou até P!
    Seria incrível que as marcas se preocupassem em empoderar as mulheres de verdade!

    Adoraria um hangout pra falar mais sobre o tema!

    Marca logo vai?!
    Bjs
    =)

  14. Maria Dalva disse:

    Ameiii!!!

  15. carol disse:

    Hazô!!!!!!

  16. Natalia disse:

    Adorei a sua apresentação! Aproveita a oportunidade de falar com o Carvalhal como é absurdo mulheres como eu, de 1,64m e 60kg vestirem G (G!!!) na Farm. quem é G de verdade simplesmente não encontra roupa no shopping. e eu não consigo entender por quê, além de uma gordofobia extrema que precisa acabar. isso nem é um problema exclusivo dele, é generalizado, mas como AMO as peças de lá, usei como exemplo. beijos e continue produzindo esse conteúdo de altíssima qualidade sobre moda na internet brasileira ;)

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *